quinta-feira, 30 de abril de 2015

CICERO [N.C.S] = Felicidade Pela Metade


Quem chorou pela metade, 

nunca vai ser feliz por inteiro.


CICERO[N.C.S]

07/03/2004

SÓ DEPOIS


Pensei em todos os seus livros

De como cuidar do meu lugar
Juntei suas palavras rasas
Ignorando o que faz desprezar.

Cansei de ler suas memórias
Seu jardim virou campo de horrores
Distorceu a capacidade da canção
Não salientou nenhum dos favores

Que tudo que teve vida volte
Nos olhos que parecem ilusão
Não pensei num dia só pra mim
Minha esperança vem depois da escuridão!!!


CICERO[N.C.S]
31/10/2000

CICERO [N.C.S] = O Amor Sempre Vence



De todo jeito o amor sempre vence,

na realidade ou na validade.


CICERO[N.C.S]
05/03/2015

30 de ABRIL


Nenhuma data vai ser marcada

Pensei em você antes de existir
Não entendo convergências do amor
Mais um tempo pra gente decidir.

Estou atado na nossa consolação
Algumas lágrimas podem purificar
Minhas ideias loucas não te batem
Descarrego minha dor pra aliviar.

Eu gosto tanto de olhares noturnos
Espreita às vezes felicidade então
Na hora que o sol chegar de vez
Vai deixar nosso olhar em questão.

30 de Abril vou deixar na vanguarda
30 de Abril as coisas mudam de lugar
30 de Abril muda nossa porcentagem
Nesse desespero, vou me deixar levar!


CICERO[N.C.S]

30/04/2000

quarta-feira, 29 de abril de 2015

Friedrich Nietzsche


Nunca é alto o preço a pagar pelo 

privilégio de pertencer a si mesmo.


(Nietzsche)

Paulo Leminski


Haja hoje para tanto ontem



(Paulo Leminski)

Marcelo Camelo


É preciso força pra sonhar e perceber

que a estrada vai além do que se vê.


(Marcelo Camelo)

AINDA NÃO TEM FIM


Mesmo que acabe

Ainda existe estes vestígios
Mas me explique esta alegria
Que só dura numa fantasia.

Essa festa nunca acaba
E a realidade ainda é dura
E você se engana no momento
Aglomerado da massa em evento. 

Marchinhas de contentamento
Apogeu sexual totalmente ligado
Os vestígios ficaram nas cinzas
E o povo ainda não se anima!

Quando será o fim ?


CICERO[N.C.S]

12/05/1995

terça-feira, 28 de abril de 2015

UMA TARDE QUALQUER


À tarde precisava te encontrar
Parece que foi anos sem te ver
É como se fosse tudo inicial
Parece que nada disso foi normal.

Agora como ficou o nosso olhar
A possibilidade do querer bem
O nosso pensamento sem fim
Vontade de ter você pra mim.

De mãos dadas ao seu lado
Saudade não entende razão
Da sua boca o meu desejo
Meu afago começa no beijo.


CICERO[N.C.S]

08/08/1998

MODERNIDADE


Ontem, 

Fazia-se amor
Sem falar em
Sacrifícios!...

Hoje se faz
Sacrifícios,
Porque é quase
Impossível 
Falar de
Amor...!!!


(Willian Marques)

Willian Marques


Há pessoas que

Nunca dizem não...
Mas sempre se 
Esquecem de
Praticar o sim!!!...

(Willian Marques)

Everson Russo


Eu não acredito no amor,

mas não importo se o amor 
acreditar em mim.


(Everson Russo)

Hudson Oliveira


Não existe cedo ou tarde. Existem

oportunidades proveitosas ou perdidas.


(Hudson Oliveira)

segunda-feira, 27 de abril de 2015

O SACRIFÍCIO


Resolvi ficar na minha

Deixar o sono vagar
Deixar o coração calar.

Vou ficar no meu canto
Deixar o silêncio reagir
Esquecer o que faz sorrir.

Vou ficar por aqui
Entender minha própria sorte
Parar com essa coisa de morte.

Vou ficar esperando
Pra começar tudo do zero
Pra fazer tudo que quero.


CICERO[N.C.S]

31/07/1992

SUDÁRIO IMUNDO


Crianças perdidas no mundo

Pedindo esmola ao redor
Aquele ar de pólvora corroeu
Consumindo álcool na dor.

Segue uma rua qualquer
Sem destino, sem fé
Balas perdidas no jardim
Acredite no amanhã que puder.

Onde estão os brinquedos
Não queria dizer não
Explique as mãos sujas
Crianças recebem o que são. 


CICERO[N.C.S]

11/06/1996

Poesia Numa Horas Dessas ?! (Luis Fernando Verissimo)


Luis Fernando Veríssimo fazendo poesia ? Sim, isso é real, e no estilo veríssimiano de ser. Um bom livro. Gostoso de ler como é todo livro do Veríssimo. São produções diversas do autor: tirinhas, poemas e charges que falam sobre diversos temas, principalmente relacionados à graça presente no cotidiano. 


Quanto aos poemas, são muito simples. Alguns bem simples. Mas a maioria tem aquele bom-humor irreverente que é marca do autor. Não são grandes poemas: estão muito longe disso. Aliás, eu chamaria de piadas poéticas, a maioria deles. Outros merecem mais destaque. Veríssimo brinca muito com a linguagem, isso é que dá graça aos textos. 

Se o livro for analisado por um crítico de poesia, será considerado de baixa qualidade.
Mas se for analisado por alguém que apenas quer uma leitura gostosa, é um livro excepcional. É um dos meus favoritos.
Ele fala desde cotidiano até teorias do Universo, sempre com aquele bom humor famoso da prosa do autor.


CICERO [N.C.S]

27/04/2015

IDEAL


Poema
ideal
é o 
que
de cima para baixo e
de baixo para cima
quer dizer o mesmo
com este que 
quer dizer o mesmo 
de baixo para cima
de cima para baixo e
que
é o 
ideal
poema.


(Luis Fernando Verissimo)

UM FIO DE CABELO ESTÁ NA MINHA CABEÇA


Um fio de cabelo está na minha cabeça

e não há nada que faça
com que isso
desaconteça. 

Um fio do meu cabelo está na sua
e não há nada
que o substitua.

Nem o sol,
nem a lua.

Nem a luz do pensamento mais intenso
que você pense
que eu penso.


(Arnaldo Antunes)

É MUITA RESPONSABILIDADE POSSUIR UMA ALMA


Quando cumprimos a vontade do nosso verdadeiro EU, nos estamos inevitavelmente cumprindo com a vontade do universo. Cada alma humana e a alma do universo inteiro. Assim a coisa mais importante que podemos obter é o conhecimento do verdadeiro EU.

Porém, uma quantidade assustadora de pessoas têm urgência por ignorar o seu EU. Isto é horrível, mas ao menos vocês podem entender o desejo de simplesmente desaparecer, com essa consciência, porque 

É MUITA RESPONSABILIDADE POSSUIR UMA ALMA,

algo tão precioso. o que acontece se a quebra? O que acontece se a perde?
Não seria melhor se anestesiá-la, acalma-la, destruí-la, para não viver com a dor de lutar por ela e tentar mantê-la pura?
Creio que é por isso que as pessoas mergulham nas drogas, na televisão, em qualquer dos vícios que a cultura nos faz engolir, numa tentativa de destruir qualquer conexão entre nós e a responsabilidade de possuir um EU.


(Alan Moore)

Alan Moore


As coisas que fazemos

sem luxúria e ambições
são as mais puras ações
que podemos fazer.


(Alan Moore)

Walt Whitman


A afeição ainda resolverá os 
Problemas da Liberdade; 
Aqueles que se amam 
Tornar-se-ão invencíveis.


(Walt Whtiman)

Waly Salomão


Se todas as coisas nos reduzem a zero,

e daí do zero, que temos que partir.


(Waly Salomão)

Stephen King


Antes da vitória vem a tentação.


(Stephen King)

Luis Fernando Verissimo


Você só sabe até onde 

pode ir quando já foi.


(Luis Fernando Verissimo)

domingo, 26 de abril de 2015

INEXPLICÁVEL


Se surpreenda

Mais um dia nasce
Sei que é algo comum
O sol batendo na face.

Se renove
Deixe que a vida alcance
Existe algo maior
Deus permite uma chance.

Se aceite
O cotidiano é inevitável
Pode ser algo normal
Mas o milagre é inexplicável ! ! !
 
CICERO[N.C.S]

23/04/2003

sábado, 25 de abril de 2015

A HERANÇA dos PLANETAS


Aquilo que foi ferido
Acabou sendo desencadeado
Retraídos pelas sobras de pão
Podíamos respirar aliviado.

Estou bem longe de casa
Escondendo vestígios passados
As estações mudaram o contexto
Fatos vão ficando apagados.

Chega! Vamos dar um basta
Deixar os planos transtornados
O acaso nos mostra contrariedade
Feliz se não fôssemos ignorados! 


CICERO[N.C.S]

12/08/1997

A QUEDA dos COMETAS


O céu se abriu
Outra vez eles apareceram
Abriram uma fenda na terra
Numa mensagem subliminar.

Os cometas não mentem
Nem sabemos sua própria língua
Os cometas vem chorando poeira cósmica
Vem trazendo tempestades.

O que aconteceu com os cometas ?
Será que mudaram de planetas ?
As estações não são as mesmas
Depois da queda não são os mesmos.

Suba a rua, sorria e olhe a lua
Me diga o que nós abraçamos?
Cometas não vieram pra ficar
(Não, não, não!)


CICERO[N.C.S] 

*Eduvado de Sales
20/10/1996

quinta-feira, 23 de abril de 2015

MECATRÔNICO


A máquina insistiu na vida

Intervém no seu querer a vontade
Benefício livre da padronização
Articulações da bioeletricidade.

Instinto funcional adequado
Retorcendo a sua programação
Mecanismos da dor atualizados
Pressente os eletrodos da razão.

Desconectado a rede induzida
Maquinações do seu tempo de uso
Conduta do seu chip regular
Falta pouco para ser concluso.


CICERO[N.C.S]
23/04/2015

SÃO AZUIS


São rosas e vermelhas
São histórias e lendas
São seus pais e filhos
São como qualquer um.

São verdades escondidas
São mentiras apagadas
São enfermos e sãos
São felizes e carentes.

São de guerra e paz
São de amor e pena
São varias pessoas de uma vez
São de uma pessoa só.

São Cosme e São Damião
São tantas coisas e nenhuma
São como sempre serão
São rosas e vermelhas.


CICERO[N.C.S]

12/12/1994

PATRÍCIA IS WEARING WAR OUTFITS


Ela esta vestindo roupas de guerra

Ela veste roupas sujas de gasolina
E diz que vai acender um cigarro
Nada abala na mudança dos fatos.

Ela esta contaminada com o desespero
Ela não tem mais compaixão 
Feridas de uma humanidade fria
Num planeta sem razão.

Ela precisa de um choro
Porque antes a vida era mais fácil
Mas hoje vende seu corpo
Num mundo tão oposto.

Uma vida se deita aos seus pés
O abismo dos flashback's aprisiona
Num passado tão dissoluto
Aquela paz que sempre questiona:

- O amanhã nunca vem? 


CICERO[N.C.S]

19/02/1995

AMOR em PAZ


Eu amei

Eu amei, ai de mim, muito mais
Do que devia amar
E chorei
Ao sentir que iria sofrer
E me desesperar

Foi então
Que da minha infinita tristeza
Aconteceu você
Encontrei em você a razão de viver 
E de amar em paz
E não sofrer mais
Nunca mais
Porque o amor é a coisa mais triste
Quando se desfaz


(Vinicius de Moraes)

PÓS-AMIGO


Você sempre foi falso
e eu era seu amigo.

O que em mim era canção
era, em você, ruído.

Você inda distorce
qualquer coisa que digo.

Como é falsa sua vida
meu dileto inimigo,

entre nós vai se abrindo
cada vez mais o abismo,

você é pós-moderno
e eu sou pré-antigo.


(Affonso Romano de Sant'Anna)

Mario Quintana


A alma é essa coisa que nos 
pergunta se a alma existe.


(Mario Quintana)

quarta-feira, 22 de abril de 2015

Ferreira Gullar


Todos os movimentos do amor 

são noturnos mesmo quando 

praticados à luz do dia.

(Ferreira Gullar)

Rodolfo Abrantes


Quem tem coragem não finge.


(Rodolfo Abrantes)

DIA QUENTE


Eu sei quem escolheu a gente

Pra ser um corpo só
Só quem me conheceu doente
Vê como estou melhor assim.

O tempo vem
(Se você deixa vir)
Eu acordei
(Bem pouco tempo antes de dormir)
Tivemos um dia quente
Tão diferente de onde ia estar.

Difícil de encarar de frente
Tão fácil de gostar pra sempre
Onde eu passei
(Você tentava me encontrar)
Eu aprendi.
(Que pra reviver é só lembrar)
Tivemos um dia quente
Se o fogo é bom eu deixo queimar.

Se você está aqui
Dormindo ao lado meu
É verdade você é minha metade
Se você está aqui
Como eu pedi a Deus
Vamos mudar de ar e caminhar como um só.

Hoje eu vejo na parede
Quem sempre esteve lá presente
Como eu mudei
(E ainda há tanto que mudar)
Vivendo aqui
(Ou em qualquer outro lugar)
Teremos um dia quente
E muitos ainda vão esquentar.

Confesso que andei perdido
Reduzido a pó
Sem chão pra cair
Das flores que eu olhei
Você é a mais perfeita que eu já vi.


(Rodolfo Abrantes)

PEQUENO POEMA DIDÁTICO


O tempo é indivisível. Dize,

Qual o sentido do calendário?
Tombam as folhas e fica a árvore,
Contra o vento incerto e vário.

A vida é indivisível. Mesmo
A que se julga mais dispersa
E pertence a um eterno diálogo
A mais inconseqüente conversa.

Todos os poemas são um mesmo poema,
Todos os porres são o mesmo porre,
Não é de uma vez que se morre…
Todas as horas são horas extremas!


(Mario Quintana)

O QUE SE FOI


O que se foi

Se algo ainda perdura
é só a amarga marca
na paisagem escura.

Se o que foi regressa,
traz um erro fatal:
falta-lhe simplesmente
ser real.

Portanto, o que se foi,
se volta, é feito morte.

Então porque me faz
o coração bater forte?


(Ferreira Gullar)

terça-feira, 21 de abril de 2015

3º ANDAR


Sobre as sobras 
Eu vi as provas 
Sobre o seu som pesado
O meu carro desgovernado. 

Prolifera as mais belas beldades
Sobre os seus pés, tamanha vaidade
Enxuga a lágrima mais falida 
Sobre suas mãos uma nova vida.

Traga pra mim, algo do exterior
Sobretudo, tergal e seda oriental
Eu te amo, quase sempre felicidade
Sobre tudo o nosso amor excepcional. 

3º andar, 2ª chance, e 1ª vez
Sobre veio tamanha insensatez
Esquecemos a verdade celestial
Esta rota não será mais igual.

Sobre as provas 
Eu vi as sobras.


CICERO[N.C.S]
18/08/1996

A BUSCA


Não é mais como antes
Minha vida virou outra
Busquei outra força ao redor
Mas toda a vontade foi embora.

Justo quando estava no fim
A nossa sorte não te deu valor
Foram anos juntando as nossas vidas
O novo mundo nos transformou.

Nos velhos tempos era melhor
Você estava perto me dizendo
Que a tempestade é passageira
E que as nuvens são de Setembro.

Depois dessa busca por você
Depois da gratidão que a gente esquece
Eu me pergunto pra tentar entender:
- Como um raio de luz desaparece ?


CICERO[N.C.S]
13/09/1996

A POESIA e EU


Eu sou letra simples
Minha caligrafia sou eu
Um suburbano, com fé e rebeldia

Visionário, estrangeiro de um país
Operário sem medo de ser feliz
De olhos castanhos a olhar pro céu
Panfletando a minha arte e minha raiz

Por isso a poesia não me abandonou, nunca
Me deixou
Por isso a poesia não me abandonou

Eu, somente eu
Escrito por mim sozinho
Ninguém mais do que eu
Minha voz, sou eu sozinho

De fato é difícil conviver assim
Com tudo aquilo que eu quero de mim
De fato é pesado ter que aceitar
Toda a realidade que sinto no ar

Por isso a poesia não me abandonou
nunca Me deixou
Por isso a poesia não me abandonou


(Kim Motta)