terça-feira, 20 de dezembro de 2016

AQUELE ANJO NÃO MORRE


Contando todos aqueles dias

Luzes coloridas cobriam vestígios
Fim de todas as canções amigas
Doa-se a vontade repentina de paz.

Na comunhão dos sorrisos forçados
Clarão artificial que virou sombra
Sobreviva aos votos de fim de ano
E aos gestos de vida por enquanto.

Não preciso de votos melhores
Mensagens para me sentir bem
Que se dane a sua simpatia
Dias tardios podem ser fatais!!!



Cicero Durães

20/12/2014

MEU GRÃO MELHOR


De que lado vai ?
Quando quebram cristais
Meu caminho é diferente
Sapatos gastados
Outra vez, eu me rendo.

Peço um perdão melhor
Meu grão seca na estrada
Na lua feita de remendo
Finjo que não sei de nada.

Aponta o dedo na cicatriz
Qual é o meu lado melhor ?
Ninguém mau, ninguém bom
Que seja nossa maneira de côr.

Minha alma ainda reclama
Porque ela quer insistir ?
- Será que alguém te ama ?
E eu digo: - FORA DAQUI !!!


Cicero Durães
22/12/2009

TERRITÓRIO VERTENTE


Faço um discurso positivo

Daqueles ideias antigas
Como se fosse revertério
Marcando mensagem viral.

Parece ser a mesma conversa
Mas a voz tem outra entonação
Um timbre gasto pela tentativa
Certo de que nada foi a prova.

Sobram escombros de lágrimas
A serenidade do olhar perdido
Tudo foi certo até agora
Só faltou a palavra perpetuar.


Cicero Durães
11/10/2014

Oscar Wilde


Definir é limitar.



(Oscar Wilde)

Affonso Romano de Sant'Anna


Separados ou juntos 

somos apenas parte de 
um misterioso conjunto.


(Affonso Romano de Sant'Anna)

sábado, 10 de dezembro de 2016

Rubem Alves


Deus é isto: A beleza que se ouve no silêncio. 
Daí a importância de saber ouvir os outros: a beleza mora lá também.


(Rubem Alves)

APENAS ME REFLITA


Eu não quero que você seja eu 

Eu já tenho a mim 
O que quero é que você chegue 
Com seu poder de chegar 
E de me devolver para mim. 
Que você chegue com o seu dom 
De também me fazer chegar 
Perto de mim... 
Pra me fazer ver o que sou e que só você viu. 
Pra eu ser capaz de amar também 
O que só você amou 
Eu não quero que você seja igual a mim. 
Eu já tenho a mim. 
Não quero construir uma casa de espelhos 
Que multiplique a minha imagem por 
todos os cantos. 
Quero apenas que você me reflita 
Melhor do que eu julgo ser.


(Fábio de Melo)

PAIXÃO de CRISTO (2004)


Por volta do ano 30 D.C, um obscuro carpinteiro judeu chamado Jesus de Nazaré começou a pregar em público e a proclamar, na província romana da Palestina, a vinda de um "Reino de Deus".
O filme “A Paixão de Cristo”, de longe a me­lhor produção sobre Jesus Cristo no cinema.

Sua fidelidade ao que dizem os quatro Evan­gelhos, a ousadia de se recriar os diálogos nas línguas que eram faladas à época e o (hiper)realismo das cenas são de um valor ímpar na história da indústria cinematográfica.

O título do filme (PAIXÃO de CRISTO) pode confundir, visto que a palavra “paixão” em geral carrega uma carga positiva. Paixão, do latim passio, refere-se a “sofrimento”, “sofrer”. Só muitos séculos depois, “paixão” passou também a designar desejo, apreço e adoração. 


Para o grande público que assistiu ao filme ficaram várias lições, entre as quais a mais valiosa, sem dúvida alguma, foi a de que para se atingir a redenção, temos que mostrar a outra face, carregar muitas cruzes, sofrer com violentas chibatadas e críticas para, afinal, subir aos céus. 


Em uma das cenas (um dos muitos flashbacks curtos que relembram passagens importantes da vida de Cristo) mostra como Jesus livrou Maria Madalena do apedrejamento. Nos dois últimos casos, nenhuma palavra é pronunciada. Comunicar sem o uso de palavras é algo que comprova a habilidade de um diretor.

Acredito que o diretor, como cristão, quis mostrar o amor de Deus pela humanidade. Como fez isso? Relembrando-nos que ninguém sofreu como Cristo. E que Ele quis sofrer para nos redimir. Acredito que para quem não crê em Jesus, quem não crê que Ele nos redimiu, o filme é apenas um banho de sangue sem sentido. Para quem crê, porém, é um chamado à meditação. Faz com que nos consolemos com as nossas cruzes.

Deixo pra vocês um versículo que pode ser aplicado a tudo que aconteceu, até o final arrebatador que trás de certa forma um alívio por tudo que aconteceu nessa jornada do messias, o salvador do mundo.

Em Mateus 28:6-7 "Ele não está aqui; ressuscitou, como tinha dito. Venham ver o lugar onde ele jazia. Vão depressa e digam aos discípulos dele: Ele ressuscitou dentre os mortos e está indo adiante de vocês para a Galileia. Lá vocês o verão. Notem que eu já os avisei”.

NOTA: 10

PRÓS: Linguagem cênica

CONTRAS: Nada consta


Cicero Durães
10/12/2016

Manual Prático de Nárnia (Colin Duriez)


Independente se essa for sua primeira viagem ao maravilhoso mundo da fantasia de C. S. Lewis ou se já esteve por lá várias vezes, é imprescindível levar esse manual prático, que descreve a paisagem e os habitantes de Nárnia.


Você aprenderá mais sobre a mente criadora por trás desse país, como ele se relaciona com outros mundos imaginários e com a literatura juvenill; o interior da história dos episódios de Nárnia, e como essa terra se enquadram nos demais trabalhos de Lewis. Este livro o ajudará a compreender com profundidade a série dos episódios de "As Crônicas de Nárnia" e suas implicações para fins de enriquecimento de sua vida cristã.

O livro também conta com um resumo cronológico das obras de C.S. Lewis. Uma leitura muito recomendada para todos aqueles que quiserem saber mais sobre o mundo de Aslam.



Cicero Durães

10/12/2016

terça-feira, 15 de novembro de 2016

Cicero Durães = Brilho do Espaço


O negro do espaço continua mesmo 

com o brilho de milhares de estrelas.


(Cicero Durães)

TUDO a ZERO


Juntei os meus quebrados 

A exaustão me fraquejava

Separei os termos
Observei esqueletos
Juntei a minha prole
E desperdicei azeite.

O que faz sentido então ?

Tudo a zero outra vez
Misturei tudo que findava

E só colhi retalhos
Amarrei minha força
Foi pouco, muito pouco
Lixo de esperança.

Até a nova notícia...


Cicero Durães
15/04/2001

GERA GUERRA GERAL


Não importa o caminho

Luta pelo que ama
Com ou sem espinho.

Procura no que foi adeus
Renovar escombros perdidos
Tirando vida além dos seus.

Para continuar seguindo
Não respeita os limites
A vitória vem persistindo.

Não aceita o "NÃO
Não entende o "NUNCA"
Não define a razão.


Cicero Durães
24/04/2004

PROPAGANDA de CIGARRO


Não estou interessado em regras

Não interessado em em leis
Não estou lixando pras normas
Nem para o voto de reis.

Não dou atenção as provas
Não gosto mais da cidade
Não quero receber as sobras 
Não preciso de oportunidades.

Não acredito mais na rebelião

Não quero mais tentar entender
Não acredito mais na revolução
Não quero mais falar de você.



Cicero Durães
06/01/1993

Nicholas Sparks


Às vezes o nosso futuro 
é definido 

por aquilo que somos e não por aquilo que queremos.


(Nicholas Sparks)

Belchior


É você que ama o passado e que 

não vê que o novo sempre vem.


(Belchior)

PORQUE


Porque

Eu conheci o desespero
Eu valorizo a esperança

Porque
Eu provei frustração
Eu valorizo o cumprimento

Porque
Eu tenho estado sozinho
Eu valorizo o amor


(Leonard Nimoy)

STAR TREK 3: Sem Fronteiras (2016)


STAR TREK: Sem Fronteiras, mantém a qualidade das duas obras anteriores, sem muitas diferenças. Não é surpreendente, mas positivamente falando, é o mais leve e divertido da franquia, fugindo do quase constante clima de tensão presente nos anteriores, o que permite que os personagens se desenvolvam de forma mais natural e espontânea.

Se nas duas primeiras aventuras, J.J. Abrams optou por um enredo mais megalomaníaco, focado em salvar o mundo, STAR TREK: Se Fronteiras leva a ação de volta para o microuniverso da nave, privilegiando o caráter explorador dos protagonistas. E é aqui que o filme incorpora toda a nostalgia e o significado do universo original de Star Trek, ao pensar os personagens mais como pesquisadores que como militares. A missão de exploração da U.S.S Enterprise sempre buscou o conhecimento, não o combate. A ação é mera consequência, não um fim em si mesmo.


Conhecido por colocar a franquia Velozes e Furiosos de volta às pistas de sucesso, a escalação de Justin Lin na direção se mostra uma escolha acertada ao dar continuidade ao estilo visto nos filmes anteriores tão marcado pelos movimentos de câmeras frenéticos e  pareados com a adrenalina nas cenas de ação.

O roteiro é bem razoável. Ele é bem objetivo em algumas partes, mas na maioria dos momentos fica enrolando quando não tem necessidade. O legal é que ela consegue explicar quase toda sua trama no filme, assim não deixando nenhum buraco que acabe atrapalhando o entendimento da história no final do filme. Os novos personagens não marcam nenhuma presença durante o filme todo, não sendo nada importantes para a trama. 



Outro fator que faz esse filme funcionar é o elenco, no qual temos ótimos momentos entre Spock e McCoy (dignos da série clássica), Kirk e Chekov (Anton Yelchin esbanja carisma como o jovem oficial tático, o que torna a morte do ator ainda mais lastimável) e Scotty e Jaylah, interpretada por Sofia Boutella (personagem que claramente bebe da fonte de Rey de Star Wars: O Despertar da Força). Uhura está totalmente apagada em aqui, servindo apenas como o interesse amoroso de Spock, um desperdício de uma ótima personagem e do talento Zoe Saldaña (Diva das Estrelas). Sulu também é pouco aproveitado, resolveram sabe lá porque introduzir homossexualidade ao personagem (Só porque George Takei ator da série clássica é gay na vida real) retratada de forma que não acrescentou nada de novo à sua dinâmica. O vilão Krall feito pelo competente Idris Elba é o pior ponto do filme. Sem química, ele até tenta ser mal porem não consegue convencer ninguém. Ele é fraco e tem uma história bem confusa e só é esclarecida rapidamente nos últimos minutos do filme


Entre altos e baixos, Star Trek: Sem Fronteiras cumpre seu papel: entretém, diverte. Pode não ser tão bom quanto seus dois antecessores, mas está longe de ser uma cicatriz na face da franquia e deixa espaço para o já anunciado quarto filme. Ao que tudo indica, as aventuras da tripulação da Enterprise terão uma vida longa e próspera.


NOTA: 8

PRÓS: Química entre os personagens e homenagens marcantes

CONTRAS: Maquiagem pesada no Idris Elba (Desperdício de talento) 



Cicero Durães
15/11/2016

1808 (Laurentino Gomes)


A ideia de um livro sobre um período histórico contado de forma menos didática me chamou a atenção e resolvi dar uma chance ao livro. Fico feliz de tê-lo feito pois é realmente um ótimo livro. Laurentino Gomes tem uma narrativa super agradável e envolvente e discorre sobre os acontecimentos com muita propriedade, fruto de dez anos de pesquisas e investigações jornalísticas sobre o assunto. Gosto muito de livros históricos justamente por isso. Você nota nas palavras e páginas, o suor e a batalha do autor para construir uma obra séria e fiel aos acontecimentos.

Como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a história de Portugal e do Brasil.

Este livro do jornalista Laurentino Gomes já pode ser considerado um clássico popular da historiografia brasileira. Foi exatamente essa a intenção do autor, alcançar um público mais amplo, não necessariamente integrante do meio acadêmico, para que cada brasileiro possa ter a oportunidade de conhecer melhor um determinado período histórico de seu país.

Achei a narrativa fluida e de fácil compreensão, os capítulos são curtos o que evita aquele sentimento de monotonia durante a leitura, pois a descrição dos fatos não é exaustiva. Para mim, todo mundo deveria ler esse livro em algum momento da vida, pois nos ajuda a entender quem é o povo brasileiro e como surgiram muitas de nossas características.


Creio que ele poderia ter sido mais crítico e forçado menos a barra. Acho que em vários trechos do livro ele tenta elevar o Brasil e reduzir Portugal, seja pelo tamanho do território, seja por outros dados que não deveriam ser comparados... creio que houve um nacionalismo forçado e um certo desrespeito com Portugal em alguns momentos...
Também acho que ele errou ao criticar o filme da Carla Camurati e seguir pelo mesmo caminho. Achei que ele iria desfazer a imagem caricata de D. João VI e Carlota Joaquina, mas pelo contrário, ele consegue acrescentar detalhes pessoais ainda mais pitorescos.

É, sem dúvida, uma obra que apresenta o Brasil aos brasileiros e revela uma história mais parecida com a característica do povo que encontra nos tropeços do dia-a-dia, na pobreza, no fracasso, nas humilhações uma forma de dar a voltar por cima e recomeçar. Sempre.

Cicero Durães
15/08/2016

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Cicero Durães = Lance do Espelho


Em cada lance de espelho,

você quer outra verdade.


(Cicero Durães)

POR MAIS TEMPO


Por enquanto vou deixar

Minhas horas no chão
Vou catar os minutos amáveis
Ficou o tempo em questão.

Separei os meses de 31
Nem tudo é tanta pressa
Agora é atemporal pra nós
Só vivo o que me interessa.

Tinha esquecido de tudo
Dos amores de setembro

Das notícias de outubro
Coisas que ainda lembro.


Cicero Durães
26/06/2000

CHAVES de ARDÓSIA para CADEADOS de OURO


Te chamo agora pelo nome

Uma canção me lembra
Qualquer coisa de setembro

Um cadeado que desmembra.

Aprisiona essa coisa de amar
Vou apossar do que é meu
Não vou deixar fazer falta
Vou devolver o que é seu.

Eu sigo meia verdade
Você segue meia mentira
Chaves quebradas no aperto
Esse amor ninguém revira.



Cicero Durães
12/04/1993

SORRISO nas TREVAS


Pode me chamar amigo
Ainda construo pontes
Principiando minha forma 
Sigo a palavra de antes.

Ajudo uma criança na rua
Ora atenção ou descaso
Observo a fome diária
Vejo então, caso a caso.

Na exaustão dos sonhos
Levei na minha mansidão

Para o seu dia melhor
Coisa boa de toda situação.



Cicero Durães
03/11/2011



*Poema dedicado ao amigo solidário Agnaldo Henrique Nogueira

William P. Young


Uma transformação sem esforço, 

nem dor, sem sofrimento, sem uma sensação de perda, é apenas a ilusão 
de verdadeira mudança.


(William P. Young)

Cazuza


Só quem se mostra se encontra.

Por mais que se perca no caminho.


(Cazuza)

Machado de Assis


Mas o tempo,
o tempo caleja 
a sensibilidade.


(Machado de Assis)

DIAS de LUTA, DIAS de GLÓRIA


Canto minha vida com orgulho


Na minha vida nem tudo acontece
Mas quanto mais a gente rala, mais a gente cresce
Hoje estou feliz porque eu sonhei com você
E amanhã posso chorar por não poder te ver mais.

O seu sorriso vale mais que um diamante
Se você vier comigo, aí nóis vamo adiante
Com a cabeça erguida e mantendo a fé em Deus
O seu dia mais feliz vai ser o mesmo que o meu.

A vida me ensinou a nunca desistir
Nem ganhar, nem perder, mas procurar evoluir
Podem me tirar tudo que tenho
Só não podem me tirar as coisas boas
Que eu já fiz pra quem eu amo
E eu sou feliz e canto
O universo é uma canção
E eu vou que vou

História, nossas histórias
Dias de luta, dias de glória
Histórias, nossas histórias
Dias de luta, dias de glória

Oh, minha gata, morada dos meus sonhos
Todo dia, se eu pudesse, eu ia estar com você
Eu já te via muito antes nos meus sonhos
Eu procurei a vida inteira por alguém como você

Por isso eu canto minha vida com orgulho
Com melodia, alegria e barulho
Eu sou feliz e rodo pelo mundo
Sou correria, mas também sou vagabundo

Mas hoje dou valor de verdade
Pra minha saúde e pra minha liberdade
Que bom te encontrar nessa cidade
Esse brilho intenso me lembra você

História, nossas histórias
Dias de luta, dias de glória
Histórias, nossas histórias
Dias de luta, dias de glória

Hoje estou feliz
Acordei com o pé direito
E eu vou fazer de novo
E vou fazer muito bem feito

Sintonia
Telepatia

Comunicação pelo córtex
Boom
Bye, bye



(Chorão Abrão)

FLERTE FATAL


Tanta gente hoje descansa em paz

Um rock star agora é lenda
Esse flerte é um flerte fatal
Esse flerte é um flerte fatal
Que vai te consumir
Em busca de um prazer individual
Esse flerte é um flerte fatal
É sempre gente muito especial.

Muita gente já ultrapassou
A linha entre o prazer e a dependência
E a loucura que faz
O cara dar um tiro na cabeça
Quando chegam além
E os pés não tocam mais no chão
Esse flerte é um flerte fatal
Esse flerte é um flerte fatal.

Esse flerte é um flerte fatal


(Edgard Scandurra)

MALUCO BELEZA


Enquanto você se esforça pra ser 

Um sujeito normal e fazer tudo igual
Eu do meu lado aprendendo a ser louco
Um maluco total, na loucura real. 

Controlando a minha maluquez
Misturada com minha lucidez

Vou ficar, ficar com certeza Maluco Beleza
Eu vou ficar, ficar com certeza Maluco Beleza. 

E esse caminho que eu mesmo escolhi
É tão fácil seguir, por não ter onde ir. 

Controlando a minha maluquez
Misturada com a minha lucidez...

Vou ficar, ficar com certeza, Maluco Beleza
Eu vou ficar, ficar com certeza, Maluco Beleza. 


(Raul Seixas)

sábado, 5 de novembro de 2016

Cicero Durães = Afirme-se em Você


Se engana quem 
precisa de afirmação 
dos outros para ser feliz.


(Cicero Durães)

DOUTOR ESTRANHO (2016)


DOUTOR ESTRANHO é o filme mais ESTRANHO que eu já vi!!!


Como um personagem de segundo escalão, Doutor Estranho chega com expectativas um pouco baixas, se comparadas a outros filmes de heróis. Abordando um novo caminho e dando uma dimensão maior do que é esse universo que a Marvel tem construído através dos anos, eles mostram que conseguem criar esse tipo de atmosfera em conjunto com o que eles já vem apresentando.

Dirigido por Scott Derrickson, conhecido por dirigir filmes de terror, ele consegue envolver o espectador até acerto ponto da trama. Quando somos apresentados ao plano astral, conseguimos comprar a ideia desse universo psicodélico que aos poucos é bem introduzido. Entretanto, a continuação desse aprendizado é acelerada e acaba simplificando tudo aquilo que deveria ser extenso e cheio de informações, deixando a construção deste plano menos explorado.

O elenco desse filme está muito bem constituído. Aqui temos o Benedict Cumberbatch é muito carismático e convence como o personagem principal; Chiwetel Ejiofor consegue dar profundidade à um personagem que em mãos menos habilidosas ficaria caricato; Benedict Wong cai como uma luva no papel de Wong (sim, ele é um Wong!) apesar de uma participação rasa; Mads Mikkelsen já provou que manda bem como vilão; e chegamos então a Tilda Swinton. Como a Anciã, Tilda Swinton rouba a cena sempre, mesmo com desaprovação por muitos por ser um personagem masculino nas hq's.

O tema já dá ideia de como o filme se faz valer de efeitos especiais. E o tema também dá a ideia de que eles são necessários e nunca gratuitos. Todo o visual do filme é criativo e inventivo. Ele serve para criar os universos e realidades paralelas.

Mais uma vez a Marvel acerta e o seu universo fica cada vez maior (e melhor). A Marvel segue a receita que vem mantendo seus filmes em alta e causando furor a cada novo semestre, em Doutor Estranho ela inova, mas não arrisca. Isso não é ruim, pois no final temos um produto com cara de novo, com base que já vimos e sabemos que dá certo e que tem tudo para agradar os fãs dos quadrinhos, e aqueles que só conhecem os filmes dos super heróis. Como entretenimento, é maravilhoso e merece ser visto mais de uma vez.


NOTA: 8

PRÓS: Efeitos especiais de encher os olhos

CONTRAS: Excesso de piadas



Cicero Durães
05/11/2016

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Fabrício Carpinejar


Os mortos são ingratos,
não morreram em nós. Os mortos vão nos vivendo em vão.


(Carpinejar)

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Carcereiros (Drauzio Varella)


CARCEREIROS é um daqueles livros que mudam sua forma de pensar. É contado em episódios vivenciados por amigos de Drauzio Varella, os quais constituem uma narrativa impossível de parar de ler. 
Possui momentos tensos e reflexivos, em quais a linguagem formal e cuidada do autor diverge com a linguagem comum (e muitas vezes palavrões) dos presos e dos carcereiros.

É um livro maravilhoso, proporciona uma visão mais ampla e aproximada da realidade do sistema carcerário brasileiro. Todos que querem expandir seus horizontes e melhorar seus argumentos sobre o assunto deveriam ler o livro.


O olhar do Dr. Drauzio nos aproxima dos seus personagens. Apesar de serem funcionários concursados e sem ficha criminal, sobre os carcereiros recai quase o mesmo estigma que carregam os prisioneiros: de serem pessoas más, violentas, e a margem da sociedade.


Outro mérito interessante do livro é trazer à tona uma discussão mais ampla sobre os problemas das prisões. Sem ter ele mesmo respostas para um problema tão amplo, Dr. Drauzio aponta a impossibilidade das prisões, pelo menos no seu formato atual. Ele fala do contraste da luta pelos direitos humanos em guerras e situações excepcionais, e o total descaso com o preso, que é torturado o tempo todo .


Uma cadeia obedece a leis e códigos de conduta próprios, e um tênue equilíbrio de forças mantém a ordem entre os dois lados das grades. De um lado, os presos, frequentemente apinhados em condições subumanas, esquecidos pelo poder público. De outro, os agentes responsáveis por vigiá-los.”


No decorrer da leitura algumas imagens formadas pelo leitor proporcionam uma breve sensação de nervosismo, medo, estigmatização, etc... e uma revelação interessante da origem do interesse de Drauzio pelo dia a dia de pessoas que persistem no crime e de pessoas nas quais são depositadas enormes responsabilidades, com o objetivo de diminuir a violência na sociedade a qual pertencemos. 


O ponto positivo do livro é que, apesar de contar situações extremas, como quando a Polícia invadiu o Carandiru, há também histórias sobre os carcereiros, que, por vezes, são engraçadas, como a de Sombra, cuja esposa o mandou embora de casa sem ele ter realmente a traído. Nessa história, Varella surge como um prosador cômico, já que é possível gargalhar das mesmas enquanto se lê.


Como sempre, Drauzio consegue humanizar suas obras como poucos contadores de histórias.  Além do aspecto literário, a obra vale a pena por mostrar um cotidiano que sempre foi invisível aos olhos da sociedade, mas palpável àqueles que vivem a rotina. Além disso, nos faz rever alguns conceitos sobre a humanização dos presidiários; nos mostra as mazelas do governo no sistema carcerário e a falta de apoio civil e estatal para essa tarefa tão banalizada que é ser carcereiro.



Cicero Durães
31/10/2016

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

RENOVÁVEL


Ré e Remar
Ressurgir, Ressurreição
Recomeçar, Repetir, Recriar
Refazer, Renascer, Reaver, Reater
Renovador, Regador, Repetido, 
Rebelião, Revolução, Redenção
Redescobrir, Reinteirar, 
Reinventar, Relutar, Renovação
Regra, Realçar, 
Renovável


Cicero Durães
08/02/2007

NA ESQUINA de CASA


Tem gente que não te conhece

Mas eu preciso de você
Te busco num só pensamento
Que me faz te esquecer.

Nos encontramos naquela esquina
E ainda somos aqueles sonhos
Entendiados com o lamaçal
Esquecemos tudo o que somos.

A gente se encontra por aí
Mesmo que eu não entenda o fim
Desanda nessas esquinas da vida
Coisas melhores ainda vão vim.


Cicero Durães

03/04/2007

FINCANDO a VELA


Hoje navega

Sem tempo integral
Olha os mais hediondos
Sorridente tempestivo.

Fixa o horizonte
Fitando o que é belo
Adjacente mergulho sombrio
Asas atrofiadas por temer.

Veja os sóis
Venha a nós
Não tenha dó ou piedade
Homem só e ferido.

Quem nunca perdeu uma batalha
Não sabe dar valor na vitória

Vive perdido numa metade
Alimenta do passado restante.

Ainda assim indagações do oceano
Sempre me mostram a necessidade
De pessoas que precisam urgentemente
Navegar o mais rápido possível.


Cicero Durães
20/11/2003

Elvis Presley


A verdade é como o sol.

Podes esconder por algum 
tempo, mas não desparece.


(Elvis Presley)

Johnny Cash


O que está encolhido na 

escuridão será trazido à luz.


(Johnny Cash)

REFRÃO de BOLERO


Eu que falei: "nem pensar..."
Agora me arrependo, roendo as unhas
Frágeis testemunhas
De um crime sem perdão.

Mas eu falei sem pensar
Coração na mão, como refrão de bolero
Eu fui sincero
Como não se pode ser.

Um erro assim tão vulgar
Nos persegue a noite inteira
E, quando acaba a bebedeira,
Ele consegue nos achar.

Num bar
Com um vinho barato
Um cigarro no cinzero,
E uma cara embriagada no espelho do banheiro.

Ana
Teus lábios são labirintos, Ana
Que atraem os meus instintos mais sacanas
Teu olhar sempre distante sempre me engana
Eu entro sempre na tua dança de cigana

Teus lábios são labirintos

Que atraem os meus amigos mais sacanas
Teu olhar sempre distante sempre me engana
É o fim do mundo todo dia da semana.


(Humberto Gessinger)

terça-feira, 25 de outubro de 2016

REQUIEM PARA UM SONHO (2001)


REQUIEM PARA UM SONHO não é um filme fácil. As técnicas empregadas pelo diretor tornam este exemplo visualmente genial. O número de cortes em um filme normal, por exemplo, varia entre 600 e 700 no total, enquanto nesse são pelo menos 2000 cortes. Isso serve para dar uma noção da agilidade gráfica, além do uso de closes angulares, divisão de cenas, diversas situações unidas por uma trilha sonora espetacular e outras facetas que somente um diretor entusiasmado poderia montar.

A primeira cena de já mostra o que será o filme. Harry em crise de abstinência briga com sua mãe Sara, querendo que ela lhe dê uma jóia guardada. Sara se tranca no quarto e Harry leva a televisão da mãe para ser vendida. Toda a sequência é de tirar o fôlego, a agressividade do rapaz, o desespero da mãe. 

As interpretações são ótimas, a começar por Ellen Burstyn que está incrível como Sara. À medida em que a história de Sara vai se complicando, a atriz vai nos surpreendendo com uma transformação impressionante. E olha que a vida dela já não começa fácil.

Quanto à trilha, edição e direção de arte, o filme é, redundantemente, fenomenal. A música que permeia os 102 minutos do filme é de uma sensibilidade impar. Transpassa sentimentos e sensações que, sem a execução da mesma, dificilmente seria captado com tanta poeticidade. Nervosa em dado momento e sublime em outros, ela deixa de ser apenas um ‘efeito estilístico’ para se tornar um personagem que faz diferença dentro do longa.


A história é sobre quatro viciados, que no início do filme estão cheios de sonhos e com boas perspectivas de realizá-los, afinal são jovens (três deles), cheios de idéias e energia. Porém, com o vício, acabam ferrando tudo. Harry (Jared Leto), Tyrone (Marlon Wayans), Marion (Jennifer Connelly) formam um grupinho de amigos que se envolvem cegamente nas drogas. Enquanto isso, Sara (a ótima atriz Ellen Burstyn) é viciada em televisão e, quando recebe uma "possível" proposta de participar de um programa de auditório, resolve emagrecer com pílulas de anfetamina, que acabam perdendo o efeito com o tempo, e ela, viciada, começa a exagerar na dose para tentar recuperar a eficiência das pílulas.

REQUIEM PARA UM SONHO é pesado, cruel e realista, onde a diversão não existe e o que realmente existe é uma viagem alucinante e muito perturbadora ao mundo das drogas. De forma jamais vista nas Telas, Darren Aronofsky aborda um tema repetitivo mas de maneira diferenciada, ao imprimir muita profundidade em ousar na exploração dos conteúdos inseridos. 
É delirante.


NOTA: 9

PRÓS: edição, roteiro e a atuação de Ellen Burstyn)

CONTRAS: O meio do filme dá uma parada que poderia ser melhor enxugada.



Cicero Durães
25/10/2016

Não Se Desespere (Mario Sergio Cortella)


Este excelente livro aborda temas do cotidiano dos seres humanos, oferecendo a seus leitores a oportunidade de ter momentos de divagação, paz interior, de afastamento das preocupações do dia a dia, de reflexões, de perceber o que sente e se conhecer. São provocações filosóficas que convidam a buscar conhecimento interior. É um livro de filosofia que proporciona a oportunidade de cada um conhecer-se a si mesmo.


Temas como religião, ética, política, educação, sonho, motivação, cooperação e diversos outros são abordados de uma forma a auxiliar a busca do bem-estar, a colaborar com a conquista daquele sentimento de tranquilidade.

Cada capítulo aborda um tema e apesar de serem curtos, são completos, ricos em informação e, um a um, merecem uma reflexão. A leitura deste livro é muito prazerosa com informações filosóficas desde os filósofos gregos até os filósofos da atualidade, inclusive esse honrado escritor que nos oferece uma cultura geral e uma nova visão do mundo e da vida.


Cicero Durães
27/10/2013