quarta-feira, 30 de setembro de 2015

ORKUT


Quem quer ser seu amigo ?
Mensagem coletiva artificial
Recados musicais que perturbam
Correntes positivas do mal.

Scraps coloridos são pipocas
Postando fotos nesse instante
Depoimentos não são enviados
Alguém te fazia importante.

Comunidades de todas as tribos
Unindo pessoas de todo país
Bloqueando spamzeiros por aqui
Comentando os hackeados por ali.

Adeus, Orkut ! ! !


CICERO[N.C.S]
30/09/2014

INIMIGO do ORKUT (2011)


INIMIGO do ORKUT foi feito no auge do ORKUT aqui no Brasil. Quando a rede social estava tão popular que pareceria impossível que outra dominasse esse reinado. Quando surgiu o FACEBOOK, era só questão de tempo que chegasse aqui no Brasil. O Orkut já irritava as pessoass por seus excessos de músicas, scraps e correntes mal intencionadas com spams.

Através dessa ideia conceitual o diretor Marco Sebastian fez esse pequeno filme para mostrar de forma ludica de que nada que parece ser pra sempre, não dura mesmo. Tem sempre um peixe grande para comer outro peixe menor. E nesse caso o ORKUT perdeu a chance de ouro para consertar seus erros porque subestimou o seu concorrente. 

O filme fala de uma ameaça mundial que acaba de se alastrar para todos aqueles que utilizam a rede social. Nada parece seguro até que uma ligação é atendida, ameaçando uma contagem regressiva que pode trazer a tona informações vitais para segurança da humanidade. As medidas serão extremas para que as pessoas continuem vivendo sem saber a realidade que está por trás do sistema de manipulação de massa. Veja muito mais além da visão.


CICERO[N.C.S]

30/09/2015

Marco Sebastian


Parar e pensar na vida...
A vida não para.
Voltamos a vida porque à vida é agora ! ! !


(Marco Sebastian)

Yan Ricardo



A vida, sim a vida... 
ela pode te derrubar.
Mas a vida é sua e 
você pode se levantar.


(Yan Ricardo)

sábado, 26 de setembro de 2015

QUANDO EU TE VER DE NOVO


Faz tanto tempo 
Que eu não te vejo, porém
Eu te direi tudo que eu sinto
Quando eu te rever.

Faz tantos anos
Que tudo aconteceu
Mas eu prometo te direi 
Quando eu puder te rever 
(Quando eu puder te rever).

Será que tudo isso foi em vão ?
Você me deixou, eu fiquei assim sem reação.

Me fala, o que eu faço pra esquecer
Se todo o meu mundo gira em torno de você.
Espero, pra gente ser feliz
Prometo que farei tudo o que você me diz.
Pois sem você o meu mundo é menor

Só com você aqui, o meu mundo é melhor.

Na caminhada que eu faço 

Eu vejo o que fico pra trás
O sol é testemunha daquilo que a gente faz
Amigos pra sempre antes de mais nada.

Faz tanto tempo

Mas não vou esquecer
Eu ti direi tudo o que eu sinto
Quando eu te rever.

Faz tantos anos

Pra gente entender
Mas eu prometo que direi 

Quando eu puder te rever 
(Quando eu puder te rever).


Tiago Leonardo
CICERO[N.C.S]
19/09/2015

NO CÁRCERE dos ANJOS


Estamos mais uma vez vivos
Pela nossa própria criação
Estou contente por renascer
Não estou totalmente perdido
Buscando sem saber o meu nome
Que ninguém consegue perceber.

Sem cor, sem nenhuma forma de vida
O que vivi são meus próprios verbos
Somos apenas o que devíamos ser
Queria escolher melhor as palavras
Lembrando das velhas histórias
Que ninguém consegue esquecer.

Estou tão longe, quanto o próprio mundo
Queria estar mais uma vez sozinho
Para redescobrir em nosso amanhecer
Nos julgaram em nossa solidão
Não nos mostraram o nosso erro
Que ninguém mais consegue perceber.


Eduvaldo de Sales
CICERO[N.C.S]

18/09/1997

SE FICARMOS JUNTOS


Lá fora está quieto
Olhares cruzam se no escuro
Vim viver meu passado agora
Vem saber desse nosso futuro.

Tudo agora está errado
Nossas vidas, nossas atitudes
Nossos olhares sem nenhum sentido
Minha visão, minhas virtudes.

Tudo seria normal
Mas nada disso é real
Pedi pra esquecer, mas em vão
Lembranças sempre existirão.

Ah, como seria bom 
Viver no futuro
Vestir do presente
Calçar do passado
O impossível amar nos ronda
A nossa promessa me consola.

Me lembro de tudo que você me disse:
- Se ficarmos juntos...


Eduvaldo de Sales
CICERO[N.C.S]
14/09/1997

A CANÇÃO da TEMPESTADE


A chuva e seus pingos
Molham minha carne imperfeita
E os anjos estão cantando
Com o som da tempestade.

Olhe como a chuva cai
Ouça a fúria dos relâmpagos
E a voz dos trovões
E os anjos tocam a canção da tempestade
Uma canção triste e silenciosa
E a chuva cai, trazendo uma mágoa e uma solidão.

E o meu corpo molhando
Se recupera da dor mal-vinda
Lágrimas se misturam com a chuva
Se tornando inseparáveis
Meus olhos se colocam no lugar pra não detê-las.

Vejam os anjos brincando na chuva
Vejam o meu corpo molhado
Vejam a canção da tempestade
Vejam os anjos tocando está canção.

(Eduvaldo de Sales)

DEIXE CHOVER


Deixe chover, deixe chover


Deixe chover e cair sobre mim
A água do céu que eu quero sentir
Algo que eu nunca eu senti
Algo que eu nunca compreendi.

Deixa chover, deixa eu sentir
A paz que vêm do céu...

Deixe chover, deixe chover, deixe chover

Deixe chover e cair sobre mim
A água do céu que eu quero sentir
Que os meus pecados vão sumir
Que um dia eu serei livre
E essa dor que eu sinto aqui
Que me corrói o meu peito assim.

Deixe chover, deixe chover
Pois eu quero sentir a chuva cair
E me lavar dos meus pecados
Me fazer me sentir livre.

Deixe chover, deixe chover, deixe chover...


(Tiago Leonardo)

E ASSIM VOU APRENDENDO


E assim vou aprendendo
por que choveu ontem
quantos dias são mais quentes
por que a luz tão veloz
o valor que tem um dente.

assim posso aprender
com foi o homem a lua
o porquê a lua flutua
já conheço um oceano
e assim vou aprendendo.

já joguei bola na chuva
também já empinei pipa
já andei por jardins belos
vi TV preto em branco
e assim vou aprendendo.

e assim corto o tempo
faço até aniversário
tenho uma namorada
sei até andar sozinho
e assim vou aprendendo.


(Hudson Oliveira)

Katiana Santiago


Como Deus é perfeito...

Temos átomos indecifráveis da alma...

(Katiana Santiago)

Hudson Oliveira


Não hiberne no inverno, em busca de 

dias melhores na primavera; faça dos 
dias vividos intensas quatro estações. 


(Hudson Oliveira)

Willian Marques


IMPRUDÊNCIA: O homem não se 

entrega ao que edifica, mas abre 
o coração ao que destrói!!!...


(Willian Marques)

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

ULTIMATO da SORTE


Anseio propriedade

Posse rudimentar
Andarilho da minha versão
Toco canções catedráticas.

São frutos, moedas e milagres
Escolhe o que te da retorno
Seguro da cartada de ases
Endurece fascinações efêmeras.

Datando as grades do meu peito
Outra sorte sorri do meu lado
Trancafiei no coração soturno
O dia mais feliz da humanidade!!!


CICERO[N.C.S]
31/07/2011


*Poema dedicado ao amigo Alexandre Valadares

A LUA e o APRENDIZ


Santuário perdido nos olhos

Anjos sem vontade de voar
Trocaram o nome dos santos
Os céus tiveram que parar.

Fiéis esqueceram as orações
Paladinos duvidam da fé
Situações adversas na ordem
Peregrinos sem a Santa Sé.

Existe apenas um Messias
Profetas deixaram as boas novas
Louvores que não são tocados
Deus não vê só as boas obras.

O dia do fim foi anunciado
Por toda parte vemos sinais
O livro da vida nos deu lição.
Que nós aprendemos em vão!!!



CICERO[N.C.S]
04/11/2007

VOCAÇÃO dos SONHOS


No rastro do sentimento oblíquo
De certa forma latente de ser
Nas provocações da nossa noite 
Depois do alívio da chuva acontecer.

Na volta dos cometas remotos
De qualquer vício em jejum
Num apanhado de iras desfeitas
Nas raridades do lugar comum.

Numa vocação de seus sonhos
Naquele olhar perdido no sereno
Sem sangue pra te dar perdão
Seu grito no escuro é pequeno.


CICERO[N.C.S]

05/12/2010

Alice Ruiz


Que tudo seja leve 

de tal forma que 
o tempo nunca leve.

(Alice Ruiz)

Nelson Rodrigues


Todo amor é eterno.

Se não é eterno, 
não era amor.


(Nelson Rodrigues)

Vinicius de Moraes


A vida é a arte do encontro,

embora haja tanto 
desencontro pela vida.


(Vinicius de Moraes)

Elisa Lucinda


Um brinde ao que está em nossas mãos. 

A vida inédita pela frente e a virgindade dos dias que virão.


(Elisa Lucinda)

SABER VIVER


Não sei... se a vida é curta

ou longa demais para nós, 
mas, sei que nada
do que vivemos tem sentido, 
se não tocamos o coração das pessoas.

Muitas vezes basta ser:
o colo que acolhe, 
o braço que envolve,
a palavra que conforta,
o silêncio que respeita,
a alegria que contagia,
a lágrima que corre,
o olhar que acaricia,
o desejo que sacia,
o amor que promove.

E isso não é coisa de outro mundo,
é o que dá sentido à vida.
É o que faz com que ela não
seja nem curta, nem longa demais,
mas que seja intensa, verdadeira,
pura enquanto ela durar...


(Cora Coralina)

QUEM DE NÓS DOIS


Eu e você

Não é assim tão complicado
Não é difícil perceber.

Quem de nós dois
Vai dizer que é impossível
O amor acontecer.

Se eu disser
Que já nem sinto nada
Que a estrada sem você
É mais segura
Eu sei você vai rir da minha cara
Eu já conheço o teu sorriso
Leio o teu olhar
Teu sorriso é só disfarce
O que eu já nem preciso.

Sinto dizer que amo mesmo
Tá ruim pra disfarçar
Entre nós dois
Não cabe mais nenhum segredo
Além do que já combinamos.

No vão das coisas que a gente disse
Não cabe mais sermos somente amigos
E quando eu falo que eu já nem quero
A frase fica pelo avesso
Meio na contra mão
E quando finjo que esqueço
Eu não esqueci nada.

E cada vez que eu fujo, eu me aproximo mais
E te perder de vista assim é ruim demais
E é por isso que atravesso o teu futuro
E faço das lembranças um lugar seguro
Não é que eu queira reviver nenhum passado
Nem revirar um sentimento revirado
Mas toda vez que eu procuro uma saída
Acabo entrando sem querer na tua vida.

Eu procurei qualquer desculpa pra não te encarar
Pra não dizer de novo e sempre a mesma coisa
Falar só por falar
Que eu já não tô nem aí pra essa conversa
Que a história de nós dois não me interessa
Se eu tento esconder meias verdades
Você conhece o meu sorriso
Lê o meu olhar
Meu sorriso é só disfarce
O que eu já nem preciso.


(Ana Carolina)

PRA SER SINCERO


Eu era tão feliz

E não sabia, amor
Fiz tudo o que eu quis
Confesso a minha dor
E era tão real
Que eu só fazia fantasia
E não fazia mal
E agora é tanto amor
Me abrace como foi
Te adoro e você vem comigo
Aonde quer que eu voe.

E o que passou, calou
E o que virá, dirá
E só ao seu lado, seu telhado
Me faz feliz de novo
O tempo vai passar
E tudo vai entrar no jeito certo de nós dois.

As coisas são assim
E se será, será
Pra ser sincero, meu remédio é te amar, te amar
Não pense, por favor
Que eu não sei dizer
Que é amor tudo o que eu sinto longe de você.


(Marisa Monte)

KILL BILL (volume 2) - 2004


A VINGANÇA SERVE-SE FRIA

Kill Bill é uma boa história que parte de um pressuposto simples - a sede de vingança de uma mulher -, desenvolvido de tal forma que renda dois volumes sem ser cansativo ou repetitivo, muito pelo contrário.

Quem reclamou da superficialidade dos personagens na 1ª parte, finalmente vai calar a boca ao ver a profundidade que eles ganham nessa conclusão. Sente-se o carinho que Tarantino tem pelos seus personagens, mesmo fazendo eles comerem o pão que o diabo amassou. Uma Thurman, a noiva, é cuspida, humilhada e até enterrada viva, numa das sequências mais memoráveis do filme.


O primeiro volume de “Kill Bill” termina com uma surpresa eletrizante. Depois de quase duas horas de ação frenética, incluindo uma longa luta de artes marciais de uma mulher contra 88 homens, Quentin Tarantino oferece mais uma demonstração do extraordinário poder que a palavra possui, em seus filmes, e faz determinado personagem pronunciar uma frase – uma única frase! – que faz o espectador quase pular da cadeira e amaldiçoar o estúdio Miramax por ter dividido o épico original em duas obras distintas.


Tarantino não perde tempo para fazer o espectador entrar na trama. A película abre exatamente da mesma maneira que a primeira parte, com um rápido flashback que mostra Bill (David Carradine) acertando um tiro na cabeça da Noiva (Uma Thurman). “Você pode pensar que estou sendo sádico, baby. Mas não. Esse é o meu momento mais masoquista”, murmura o assassino, antes de disparar o tiro responsável por deixar a garota em coma por quatro anos. Essa frase é crucial para o desenvolvimento do enredo “Kill Bill: Volume 2”. 


Kill Bill, vol. 2", é o ápice de todas as questões deixadas no filme anterior. Tudo o que há em perfeição no primeiro, retorna ao segundo de forma mais branda. A trama que é tão ágil e envolvente, torna-se rica nos diálogos.Todas as perguntas são respondidas de forma satisfatória.  A inserção do treinamento da "Noiva" com o mestre chinês Pai Mei á algo muito interessante para entender muita coisa do primeiro filme.



Diálogos memoráveis, (A conversa filosófica sobre o superman, é uma das melhores que eu já vi), personagens frios e calculistas e visual de tirar o fôlego, o que torna Kill Bill um dos filmes mais queridos de seu diretor.

Rolam-se boatos de uma provável continuação, o que tornaria Kill Bill, no mínimo, uma trilogia. Não que seja necessário, afinal a história parece que já foi devidamente contada. Mas nunca se sabe o que pode sair da mente brilhante de Tarantino.
NOTA: 9


CICERO[N.C.S]

25/09/2015

KILL BILL (volume 1) - 2004



O SOM VIBRANTE DA VINGANÇA

A história de ''Kill Bill'' é bastante simples: uma mulher conhecida como ''A Noiva'' sofreu um ataque assassino no dia do seu casamento. Fato 1: ela estava grávida. Fato 2: o autor do atentado era o seu próprio noivo, Bill. Fato 3; ela, surpreendentemente, sobreviveu e agora quer vingança.

Inicialmente um filme só, Kill Bill teve de ser dividido em duas partes (volumes), decisão que irritou alguns por parecer puramente comercial, mas que, ao meu ver, foi bastante certa, pois impediu que o filme tivesse uma metragem de mais de três horas (o que o tornaria extremamente cansativo).


Bem, tendo isto posto, é possível afirmar com firmeza: ''Kill Bill'' é um projeto tão doentio e assustadoramente original que só poderia ter sido concebido por um cara como Tarantino, um nerd que passou sua adolescência dentro de uma videolocadora e fez sua fama - além de ter revolucionado o cinema independente norte-americano - jogando no liquidificador todas as referências possíveis acumuladas através dessas experiências.


Num determinado ponto de Kill Bill, Vol. 1, no meio da chacina que a personagem A Noiva desencadeia para aplacar sua sede de vingança contra a chefe yakuza O-Ren Ishii, o filme instantânea e a arbitrariamente perde a cor (o pretexto é uma cena em que a personagem arranca os olhos de um dos capangas de O-Ren), continuando em preto e branco até que um piscar de olhos da progatonista seja o suficiente para que o filme volte às suas cores originais. Essa cena-dentro-da-cena tem antes de tudo uma função de equilíbrio visual, e, numa menor medida, narrativo: remete para o começo do filme, quando vemos, também em preto e branco, A Noiva sendo torturada por Bill, num plano aproximado do rosto da personagem feminina.

Ao assistir, não perca tempo em analisar coisas inúteis como a profundidade do roteiro, coerência lógica etc.) é centrada na personagem interpretada por Uma Thurman, uma noiva grávida que escapa milagrosamente de uma chacina promovida no dia de seu casamento. Daí em diante, o que se vê na tela são cabeças sendo decepadas a golpes de espadas e sangue, litros de sangue espirrando para todos os lados. Mas Kill Bill não é um filme violento. As situações são tão exageradas por causa de seu tom cartunesco.

A trilha sonora, outra grande característica do diretor, é bem inspirada também. Costumo dizer que se Stanley Kubrick conseguiu casar música clássica com odisseias espaciais, Tarantino com toda seu conhecimento de cultura pop conseguiu casar músicas dançantes e deliciosas em um filmaço de ação e muita aventura, desenhando assim todo o clima que precisava para deixar sua assinatura: isto aqui é um filme de Quentin Tarantino.


NOTA: 8

CICERO[N.C.S]
25/09/2015

Sonetos Para Amar o Amor (Luís Vaz de Camões)


Luís de Camões foi uma das maiores influências nas canções de Renato Russo. E vale lembrar que Camões mostra o AMOR em toda sua poesia, de forma universal. Comparecem nesta coletânea mais de meia centena de sonetos de Luis de Camões, aqueles celebrizados pelo gosto popular e muitos que, não menos belos, são desconhecidos da maioria dos leitores brasileiros. 


Sua leitura revela a outra face do poeta das façanhas lusitanas: A da irremediável paixão, dando voz  à glória de amar, que em seus versos imortais suplanta a pena de não ser amado e justifica a vida. O leitor terá neste volume mais de meia centena de poesias de Luís Vaz de Camões (1524-1580), expoente máximo da lírica portuguesa, cujos versos concentram uma das maiores experiências de literatura amorosa no Ocidente.

O escritor Sergio Faraco escolheu para esta antologia apenas sonetos, alguns dos mais difundidos da nossa língua --"Amor é fogo que arde sem se ver" e "Alma minha gentil, que te partiste"-- e outros desconhecidos da maior parte dos leitores brasileiros, mas não menos belos.

CICERO[N.C.S]
25/09/2015

Mastodontes na Sala de Espera (Bruno Brum)


O que se esperar na sala com mastodontes ?

O que esperar na linguagem visual contemporânea do poeta mineiro Bruno Brum.
Em seu terceiro livro, ele te coloca num jogo de palavras dissonantes de lirismo imediato.

Ressoa o fato que a poesia de Bruno Brum tem a marca visual muito forte.
Ele consegue transportar para um mundo paralelo, as dimensões de todos os sons.
Convertidos por alguns segundos podemos escutar todos os seus descritos no livro.

Destaco nesse livro a primeiro poema, "Um deles", "Interferências", "Briantestine" e "Outro lugar"
que na minha opinião é o auge dessa viagem que o livro nos coloca. É impossível ficar indiferente
a poesia desse poeta que traz uma grande veia transcendental.

Não deixando de mencionar as frases presentes em "Noventa e nove blefes", entre elas:

"Dentre os vertebrados, a faca é o único que possui duas vidas: Uma em cada extremidade."

MASTODONTES NA SALA DE ESPERA é a sobrevivência da poesia deste mundo desfigurado pela alienação da mídia imposta e um resgate renovador da poesia.


CICERO[N.C.S]

25/09/2015

domingo, 20 de setembro de 2015

CICERO [N.C.S] = Querências do Amor


O amor faz de mim o que quer,

sem saber o que eu quero.


CICERO[N.C.S]

06/08/2003

COMPASSION is FORTRESS


Dentro da minha fortaleza

Se torna padrão condicional
Medo das minhas posições
Vaga lembrança ocasional.

Liberdade para novas terras

Se aposse do plano perfeito
Depois que passar a tempestade
Nada vai ser do mesmo jeito.

Não me venha com compaixão

Nunca disse que era tristeza
Deixe que a força se faça

Sobrevivo na minha fortaleza.


CICERO[N.C.S]

16/10/2004

CONSOLE


Orações não são mais feitas
Ninguém trata a ferida alheia

Na tempestade te pego no colo
Quem é que ama de primeira ?

Estou rindo pra esconder a dor

Disfarço nos meus sonhos abstratos
Prefiro voltar para o mesmo lugar

Não tem mais sentido nos traços.

Lamento não ter ignorado
Bem que os anjos me avisaram

Dispersei tudo que foi aprendido
Suas lições me transtornaram.


CICERO[N.C.S]
10/08/2004

CAIXA de PRATAS


Quero buscar

O que havia esquecido
O que ficou em outra hora
O que faz parte de mim
No escuro que me assombra
Me liberto de tudo agora.

Você me ensina 
Ou me conta um segredo?
Sabe o preço que me cobra
Para eu ser melhor ?
Desconfia dos tesouros
Joga tudo que busquei afora.

O que ficou perdido
Foram escolhas seculares
Importante modo regular
Padronizando sentimentos
Aceitando a conviver
Com o que pode me aceitar.


CICERO[N.C.S]

02/07/2008

Adele Laurie


Ao invés de sempre ficar limpando as lágrimas 
que caem pelos mesmos motivos, limpe da sua vida as pessoas que a fazem cair.


(Adele)

J. K. Rowling



A verdade é bela e terrível e, portanto, 

deve ser tratada com grande cautela.


(J. K. Rowling)

Fabrício Carpinejar


Acreditar é ainda esperar pelos resultados

Confiar não depende dos acertos.


(Carpinejar)

Virginia Woolf


Os olhos dos outros são prisões; 

seus pensamentos nossas celas.


(Virginia Woolf)

MINHA IMORTAL


Estou cansado de estar aqui

Sufocado por todos os meus medos infantis
E se você tiver que ir embora
Gostaria então que fosse
Pois sua presença ainda persiste comigo
E não quer me deixar em paz.

Estas feridas parecem não querer sarar
Esta dor é muito real
Há tantas coisas que fica impossível o tempo apagar.

Quando você chorava, eu secava todas as tuas lágrimas
Quando você gritava, eu espantava todos os teus medos
E segurei a tua mão por todos esses anos
Mas você ainda me tem por completo.

Você costumava me cativar pela sua luz ressonante
Agora estou preso à vida que você deixou para traz
Seu rosto assombra meus sonhos até então prazerosos
Sua voz afugentou toda a minha santidade.

Eu tentei me convencer tantas vezes de que você foi embora
Mas ainda está comigo
Estive sozinho por todo esse tempo.


(Amy Lee)

FAZ ANOS NAVEGO O INCERTO



Faz anos navego o incerto.
Não há roteiros nem portos.
Os mares são de enganos
e o prévio medo dos rochedos
nos prende em falsas calmarias.
As ilhas no horizonte, miragens verdes.
Eu não queria nada além
de olhar estrelas
como quem nada sabe
para trocar palavras, quem sabe um toque
com o surdo camarote ao lado
mas tenho medo do navio fantasma
perdido em pontas sobre o tombadilho
dou a face e forma a vultos embaçados.
A lua cheia diminui a cada dia.
Não há respostas.
Queria só um amigo onde pudesse jogar o coração
como uma âncora.


(Caio Fernando Abreu)