quarta-feira, 20 de abril de 2016

OSSOS LATENTES


Numa fração de intentos
Gesticulando absurdos
Medindo palavras no escuro
Um tiro de criticas em tudo.

Até quando eu puder 
Eu vou te suportar
Em sua risada mais tosca
Porque não quero rebelar.

Não faço mais como era antes
Meu verbal não vai te convencer
Leia no meu olho: - DANE-SE!!!
Não vou mais te promover.


CICERO[N.C.S]

20/12/2010


*Poema dedicado ao meu cunhado Warlei Macário 

X da QUESTÃO


Quando acerta as mais altas horas, 
Se sossega nos contratempos,
Proposto em sacríficios de provas.

Quem se magnificou nas entrelinhas
Se abrilhantou também no vazio delas
Não entendeu o vazio das letrinhas.

Porque não teve lugar que provasse
Que as opções trouxessem resultado
Eu sigo adiante no meu impasse...


CICERO[N.C.S]

08/12/2007

BRILHO dos VINHOS


As duas fases que separei

Anuncia meu dia, uma vida
Conciliando a minha renuncia
Retorno ao ponto de partida.

Acompanho seu processo estelar
Na condição do sentido adverso
Vejo números dominarem seu corpo
O fator obscuro não muda meu verso.

Recolhi vestígios do meu instante febril
Comanda o nosso vício de esquecer
Comparei em duas visões distintas
Retrocesso das coisas para sobreviver.


CICERO[N.C.S]
27/12/2010

Martha Medeiros


Faça o que for necessário para ser feliz. Mas não se esqueça que a felicidade é um sentimento simples, você pode encontrá-la e deixá-la ir embora por não perceber sua simplicidade.


(Martha Medeiros)

Simone de Beauvoir


Todas as vitórias 
ocultam uma abdicação.

(Simone de Beauvoir)

Elvis Presley


Julgar um homem por seu ponto mais 

fraco ou dívida é como julgar o poder 
do oceano por apenas uma onda.


(Elvis Presley)

DOR ELEGANTE


Um homem com uma dor
É muito mais elegante
Caminha assim de lado
Com se chegando atrasado
Chegasse mais adiante

Carrega o peso da dor
Como se portasse medalhas
Uma coroa, um milhão de dólares
Ou coisa que os valha

Ópios, édens, analgésicos
Não me toquem nessa dor
Ela é tudo o que me sobra
Sofrer vai ser a minha última obra


(Paulo Leminski)

TRÊS COISAS


De tudo, ficaram três coisas:

a certeza de que ele estava
sempre começando, a 
certeza de que era preciso
continuar e a certeza de
que seria interrompido
antes de terminar. Fazer
da interrupção um caminho 
novo. Fazer da queda um passo 
de dança, do medo uma escada, 
do sono uma ponte, 
da procura um encontro.


(Fernando Sabino)

MULHER-GATO (2004)


QUE TÉDIO FELINO!!!

O filme é bobo e futil. Cheio de clichês fáceis e frases de efeitos que beiram a uma pasmaceira. MULHER-GATO do cineasta francês Pitof copia na cara dura o excelente “O CORVO" com Brandon Lee, sem cerimônia, e promove um desfile de moda underground que é cercado por propagandas em todos os lados. É um derivado do universo do Batman que não chega nem aos pés da mitologia do héroi da DC. (Gotham não é nem citada) Nada se encaixa na tentativa de transformar a vilã em heróina.


Em "Mulher-Gato" cometeram o erro de mudar a origem da personagem que recebe poderes misticos de gatos vindos de uma `linhagem de Mulheres-Gato` que, de acordo com o filme, `não são contidas pelas regras da sociedade e com direito a uma mestre que passará conhecimentos à nivel Morpheu pra Neo.

E por falar em Matrix;  Lambert Wilson que faz um dos vilões do filme se limita a repetir o sotaque e os trejeitos do Merovingian de Matrix Reloaded. Fora a roupa de couro utilizada pela Halle Berry de que é uma imitação descarada dos filmes Matrix também. O CGI desse filme é horroroso e você percebe claramente os bonecos digitais que substituem a atriz nas cenas de ação. 


Quando a heroína está em cena, “Mulher-Gato” vira um verdadeiro desfile de moda, com diálogos que beiram o histérico miado. Isso mesmo, miado, miau! miau! E é claro a protagonista começa a se comportar como um gato em cenas que foram planejadas para serem empolgantes, mas fazem rir de tão ridiculo. 


O ponto bom, mas que não salva o filme, são as cenas de luta e a movimentação da felina. Apesar dos efeitos de câmera não terem sido bem sucedidos, as lutas mostram o gingado da capoeira, coreografadas pelo brasileiro Beto Simas, que deve ter feito uma diferença enorme para a atriz para seu gingado de gato.

Nem Sharon Stone que é a vilã do filme não convence com uma representação afetada que foge dos padrões de normalidade humana. Quando chega a disputa entre a morena e a loira são capazes de tirar do tédio. E pra falar a verdade todos os personagens são esquecíveis e não fazem diferença nenhuma para agragar valor a personagem-título. Porém Halle Barry continua sempre linda.

NOTA: 2

PRÓS: Halle Barry (Faz valer algum esforço para ver o filme)

CONTRA: CGI mal feito e personagens apagados


CICERO[N.C.S]
20/04/2016

A Hospedeira (Stephenie Meyer)


Nessa história de ficção cientifica seansacional, o planeta todo foi invadido por algo que ninguém conseguiu derrotar, algo imprevisível fez com que as pessoas se tornassem hospedeiros, ou seja, o corpo dos humanos são controlados pelos invasores, e as mentes são extraídas, fazendo com que os invasores dominem completamente a vida da humanidade.

O livro é extraordinário, a leitura é complicada no começo, mas a partir do quarto capítulo a leitura muda completamente, passamos a entender quem esta narrando a estória e saber quando é Mel ou Peg que estão falando que no caso de Mel, pensando. O livro se torna magnífico, uma ficção científica de primeira.


A autora parece outra pessoa. Talvez uma alma esteja no controle do corpo da Stephenie Meyer porque forma de escrever mudou muito após Crepúsculo que eu DETESTO. Ela deve ter amadurecido bastante quando inventou uma estória de qualidade e original! O romance não é como Crepúsculo, que ocorre rápido e sem tantos motivos, vai acontecendo lentamente, uma amizade se transforma em um lindo amor, e um amor que vem de muito tempo também.

O filme infelizmente é muito ruim, deram mais destaque para as cenas românticas do que as de ação e os atores não convencem em sua atuações artificializadas. O livro é bem melhor sem dúvida.
Não posso dizer que quem gostou de crepúsculo vai amar esse livro, porque esta tudo MUITO diferente, mas algo que posso afirmar com toda certeza que vale a pena conferir esse livro.


CICERO[N.C.S]

20/04/2016

sexta-feira, 15 de abril de 2016

ZINCO e RUBI


Aceite na primeira fala 
E responda em partes
De todos os vendavais
Escolha alguns sinais.

Meios de dizer desigual
Ideias que veio do vento
Perdido nos quatro cantos
Vagando a queda de tantos.

Silenciam pedras no frio
Sombras articuladas pra mim
Promessas cinzas de fome
Tem uma verdade que some.


CICERO[N.C.S]
30/10/2003

ANJOS DISPERSOS


Perpetua nas asas destroçadas

Mudanças da formas ancestrais
Perdoa os que pensam o contrário
Cheguei perto dos portões celestiais.

Cartas rasgadas cheias de pretensões
Fechei meus olhos no seu desprezo
Quem fecha a porta na hora errada ?
Quem é por mim quando indefeso ?

Quero um refúgio para eu recuperar
Passos apertados depois do tropeço
Só tenho como base os meus sonhos
Anjos só choram depois do começo!!!


CICERO[N.C.S]

12/02/2000

NÚMERO SECRETO


Vai ver que agora podemos

Mudar as rotas destinadas
Na quantidade que seremos.

Jogue a moeda pro alto
Que a sorte seja sua amiga
Tenha fé sobre o seu salto. 

Queira tudo isto de uma vez
Ame tudo que seja possível
Faça diferente do que já fez.

Agora vem ver de perto
O número privado de novo
Que deixei na linha descoberto.


CICERO[N.C.S]

20/06/1998

Suzzane Collins


Um pouco de esperança é eficaz, muita esperança é um perigo. Uma centelha boa, contanto que controlada. Então, controle-a.

(Suzzane Collins)

William Blake


Nunca saberás o que é suficiente enquanto 
não souberes o que é mais que suficiente.


(William Blake)

Michael Jackson


Você nunca sabe quanto tempo você 

tem com alguém, então não esqueça de dizer eu te amo enquanto você pode.


(Michael Jackson)

AMOR MAIOR


Eu quero ficar só, mas comigo só eu não consigo
Eu quero ficar junto, mas sozinho só não é possível
É preciso amar direito, um amor de qualquer jeito
Ser amor a qualquer hora, ser amor de corpo inteiro
Amor de dentro pra fora, amor que desconheço

Quero um amor maior, um amor maior que eu
Quero um amor maior, um amor maior que eu

Eu quero ficar só, mas comigo só eu não consigo
Eu quero ficar junto, mas sozinho assim não é possível
É preciso amar direito, um amor de qualquer jeito
Ser amor a qualquer hora, ser amor de corpo inteiro
Amor de dentro pra fora, amor que eu desconheço

Quero um amor maior, um amor maior que eu
Quero um amor maior, um amor maior que eu

Então seguirei meu coração até o fim, pra saber se é amor
Magoarei mesmo assim, mesmo sem querer, pra saber se é amor
Mas estarei mais feliz mesmo morrendo de dor
Pra saber se é amor, se é amor

Quero um amor maior, um amor maior que eu
Quero um amor maior, um amor maior que eu


(Rogério Flausino)

A ROSA de HIROSHIMA


Pensem nas crianças

Mudas telepáticas
Pensem nas meninas
Cegas inexatas
Pensem nas mulheres
Rotas alteradas
Pensem nas feridas
Como rosas cálidas
Mas oh não se esqueçam
Da rosa da rosa
Da rosa de Hiroxima
A rosa hereditária
A rosa radioativa
Estúpida e inválida.
A rosa com cirrose
A antirrosa atômica
Sem cor sem perfume
Sem rosa sem nada.


(Vinicius de Moraes)

LANTERNA VERDE (2011)



LANTERNA VERDE DE VERGONHA!!!

LANTERNA VERDE é um filme visualmente bonito, mas sem conteúdo, d
esperdício de atores, roteiro, efeitos especiais e dinheiro em um filme que tinha tudo para ser um dos melhores da DC/Warner. Mas isso se deve ao fato do diretor, e o ator protogonista do filme que não terem conhecimento do personagem título do filme. 

Lanterna Verde é um filme muito infantil e chato, preguiçoso e de piadas fora da hora. É uma história de origem, mas ela tem o grande problema de ter sido mal explorada e ter um roteiro com altas doses de clichê, comprometendo o filme por completo. Poucas coisas se salvam no filme, como por exemplo, as excelentes atuações de Mark Strong interpretando Sinestro, o líder da Tropa dos Lanternas Verdes e mentor de Hal Jordan. Parallax (Entidade do Medo) que deveria ser o grande vilão do filme, acabou me lembrando muito o GALACTUS do filme QUARTETO FANTASTICO e SURFISTA PRATEADO. Uma grande fumaça ameaçadora da humanidade.

Quero deixar bem claro que o LANTERNA VERDE é o meu persoanegm preferido da DC, mas não tem como eu exaltar o filme da maneira que eu queria a história de origem é muito tola. É praticamente Hal Jordan (Ryan Reynolds) criando coragem pra assumir o anel. Nesse passo, grande parte do filme se resume a longos diálogos, flashbacks e tentativas frustadas de tentar ser engraçado. salvando-se apenas as cenas em que Sinestro (Mark Strong) e Killowog (Michael Clarke Duncan) passam os conhecimentos ao Hal Jordan em um treino.


Ponto alto para o belíssimo e altamente colorido planeta Oa (Lembra bastante o Asgard do filme Thor), local onde os Lanternas Verdes se encontram para fazer reuniões e treinar seus grandes poderes, mas, o ponto baixo de tais cenas nesse planeta é a lista extensa de personagens e só darem ênfase em dois, que são eles: Tomar-Re (Geoffrey Rush) e Kilowog (Michael Clarke Duncan). 

LANTERNA VERDE é um filme que mostra algum potencial nos primeiros 40 minutos mas, depois, assim como um castelo de cartas, desmorona com um mero sopro. O tenebroso roteiro, má construção de personmagens e um diretor que provavelmente não se empolgou com o que leu destroem um filme que poderia ser até um divertimento sem grandes consequências. No entanto, do jeito que foi feito, Lanterna Verde é uma grande perda de tempo.


PRÓS: O visual do planeta Oa

CONTRA: O mega vilão Parallax


NOTA: 4



CICERO[N.C.S]

15/04/2016

Deus Não Está Morto (Amit Goswami)


Neste livro de evidências cientificas da existência divina, a física quântica é a ciência utilizada para provar Deus como entidade viva e atuante. Se você entende alguma coisa desta nova ciência - ou pretende entender - sabe que a física quântica, até o presente momento, tem se mostrado a prova de erros. Ninguém consegue contestar os resultados obtidos através desta física para os problemas que outras ciências não conseguiram resolver. 


Na contramão da atual onda cética que toma conta de vários setores da intelectualidade, Goswami aplica seu profundo conhecimento científico para comprovar a transcendência da natureza humana; para desmentir a ciência tradicional, provando ser o universo muito mais do que matéria; para demonstrar que as questões até hoje não resolvidas pelo materialismo encontram, sim, respaldo científico, e são demonstráveis a partir de evidências da existência de uma consciência maior com poderes causais e de vários níveis sutis de realidade.

Contem diversos assuntos do outro mundo, além de subtítulos que proporcionavam a execução de uma experiência que comprovasse o assunto redigido. Embora não seja longo, terminei de lê-lo não faz 15 dias e apresento aqui as minhas impressões. 

Pois é, o livro discorre por uma série de teorias sob uma linguagem de domínio difícil de compreender para quem não é da área. Mesmo o autor tomando cuidado para tentar explicar conceitos mais básicos, senti uma dificuldade enorme para acompanhar o seu raciocínio, mesmo tendo parado para pesquisar alguns termos e enunciados por diversas vezes. 

Não é de base considerar como ABSOLUTO, mas muita coisa aqui é bem CERTA pra ser verdade.


CICERO[N.C.S]
15/04/2015

domingo, 10 de abril de 2016

RE-START


Quando a tempestade acabar não se esqueça
O guarda-chuva não basta porque vem granito
Não pise nas pedras nesse dia tão cinza
Depois do turbilhão terá um caminho bonito.

Mesmo que as sandálias te apertem no percurso
No final do seu dia chegará todo seu alívio
No rio sobre rio, no caminho sobre caminho
Resistência máxima que rodeiam nosso convívio.

E quando dia teimar em mostrar o recomeço
Medite nas antigas formas de alienação
Tente mais, erre mais, faça mais e acerte agora
Reinicie seu ponto de vista em outra opção.


CICERO[N.C.S]

26/04/1998

ALUGUEL HUMANO


Me desesperei na calmaria
Transformei armas num abismo
Fiquei sem assuntos triviais.

Quebraram as chaves da minha prisão
Ninguém se importa com as tragédias
E nos seus comportamentos cordiais.

Já deram o toque de recolher
E ainda estamos naquela esquina
Crianças fazem bombas artesanais.

Todo escuro tem um toque de areia
Passageiro nos sonhos e virtudes
Recolha a caridade com os demais ! ! !


CICERO[N.C.S]
18/02/2002

ANTEONTEM FOI 16


De forma natural que aconteça o impossível

Faça o possível para os novos pensamentos
Faça todos os fins justificarem os meios
Comece nos dias escuros para os cinzentos.

Atrase um pouco o tempo, mas ganhe na vida
Só hoje é dado a única chance que pedias 
A felicidade bateu na porta uma vez no fim
Porque a tristeza foi embora faz dois dias ! ! !


CICERO[N.C.S]
11/10/2007

Thedy Corrêa


O tempo engana aqueles que
pensam que sabem demais.


(Thedy Corrêa)

Ferreira Gullar


Só agora sei que existe a eternidade.
É a duração finita da minha precariedade.


(Ferreira Gullar)

Alexandre Dumas


Para todos os males, 
há dois remédios:
o tempo e o silêncio.


(Alexandre Dumas)

ROSTO COM DOIS PERFIS


Renuncio às palavras

e às explicações.
Ando pelos contornos,
onde todos os significados
São sutis, são mortais.

Não quero perder o momento
Belo. Quero vivê-lo mais,
com uma intensidade que exige a vida:
desgarramento e fulguração.

Então me corto ao meio e me solto
de mim: 
a que se prende e um que voa,
um que vive e uma que se inventa.
Coração Duplo:
a que se contempla e um que nunca
se entende,
um que viaja sem saber se chega
- Mas não desiste jamais.


(Lya Luft)

LUTO POR MIM MESMO


a luz se põe

em cada átomo do universo
noite absoluta
desse mal a gente adoece
como se cada átomo doesse
como se fosse esta a última luta

o estilo desta dor
é clássico
dói nos lugares certos
sem deixar rastos
dói longe dói perto
sem deixar restos
dói nos himalaias, nos interstícios
e nos países baixos

uma dor que goza
como se doer fosse poesia
já que tudo mais é prosa


(Paulo Leminski)

BATMAN vs SUPERMAN - A Origem da Justiça (2016)


Ver Batman e Superman dividindo a tela grande do cinema parecia ser um sonho possível, mas ao mesmo distante pelos executivos idosos engravatados da Warner. Ver o Homem Morcego e o Homem der Aço era um sonho de infância que era suprido pelas animações e quadrinhos da DC comics.
Os dois personagens mais icônicos do universo das HQ's são também os dois heróis mais notórios da cultura pop mundial. Bruce Wayne e Clark Kent são dois icones da cultura popular. 


Imediatamente duas coisas me chamaram a atenção no filme de Snyder, principalmente levando em consideração os filmes da franquia Marvel: o Batman de Ben Affleck é claramente um cara atormentado pela morte de seus pais até hoje. Algo que ele nunca superou em sua vida, mesmo já sendo um héroi com grande experiência. E neste contra ponto o Superman de Clark Kent criado dentro de um ambiente familiar tenta ser ameaçador, mas como bom escoteiro não consegue ser tão psicotico e transtornado como Batman.


Os fãs mais assíduos dos quadrinhos, principalmente da DC Comics, vão gostar do filme, não há como dizer o contrário. Zack Snyder preparou um show de referências que vai arrancar os mais diversos sorrisos dos que conhece esses personagens à fundo. A primeira aparição do Batman é das coisas mais legais já feitas, no que tange à super-heróis, no cinema. O Batman em ação é algo que esperamos por muito tempo. 

Mesmo com o visual fantástico de Zack Snyder, o filme tem problemas no roteiro retalhado, e uma edição que prejudicou bastante para tornar uma história melhor contada. Sacrificado o roteiro pelo  do impacto visual, que tinha que ser ao menos bom. E nesse quesito as páginas da DC ganham vida na tela grande e se tem um cara certo para fazer isso esse cara é o Snyder. Ele fez isso em Watchmen, em 300, em Homem de Aço e agora ele fez de novo. Visualmente o filme é demais e isso não se pode negar. Cabe a você julgar se um filme vazio pode valer só pelo seu visual.

Trata-se de um grande pontapé para o universo compartilhado desses personagens, que futuramente culminará no filme da Liga da Justiça (que já está em pré-produção). Ao final, Batman vs Superman fez jornalistas saírem felizes e, alguns, com lágrimas nos olhos da exibição exclusiva para imprensa. O universo cinematográfico da DC começou.


PRÓS: Visual do filme
CONTRA: Edição picotada demais


NOTA: 8



CICERO[N.C.S]
10/04/2016

A Ciência Médica de House (Andrew Holtz)



O livro que traz toda a verdade por trás dos diagnósticos de uma das séries de maior sucesso no mundo (E que eu adoro). A ciência médica de House, do jornalista Andrew Holtz que é especializado na área de saúde. Ele apresenta o que é ou não ficção no seriado. Holtz passou um ano estudando as principais obras da literatura médica e entrevistando diversos especialistas entre médicos, enfermeiras e professores para compilar numerosos casos incomuns e tratamentos ainda mais surpreendentes. 


Com riqueza de detalhes e de maneira bastante clara, o autor apresenta a solução dos mistérios que intrigam os telespectadores.
Como pode um adolescente quase morrer com sarampo sem nunca haver entrado em contato com o vírus? E uma mulher chegar ao hospital desesperada porque confundiu geleia de morango com geleia espermicida? No popular seriado americano House, líder de audiência graças ao brilhante e sarcástico médico Gregory House, é possível encontrar doenças tão insólitas que fazem com que os telespectadores imaginem se há alguma autenticidade ou se os diagnósticos são pura invenção.

A Ciência Médica de House é um livro que traz as respostas para as dúvidas mais freqüentes dos muitos fãs da série. De uma misteriosa ocorrência de malária no cérebro até os tratamentos pouco ortodoxos aplicados a diversas situações.  Como quando House recomenda o fumo para tratar uma doença inflamatória no intestino. Tudo é fascinantemente desvendado e contato de forma que parece dar a mesma sensação de quem assiste a série. 


CICERO[N.C.S]

10/04/2016

sexta-feira, 1 de abril de 2016

ESTRELA da MORTE


O lado negro foi absorvido
Quando a lágrima foi resposta
Na tentativa de mudar tudo
Na verdade que me foi oposta.

A sombra do que foi visto
Persegue minha alma restante
Antes forte fosse a dúvida
E meu pensamento constante.

Naquela paz forçada e perene
Apodera a raiz de toda razão
Mas deixa na vontade que tiver
O estandarte da minha declinação.


CICERO[N.C.S]
23/04/2013

BOMBA DARK


Mostrado num quadro vazio

Rasuras de formas desumanas
Tormentas fincaram brutalidades
Nuvens perdem o branco em semanas.

Manchado por fumaça no seu sangue
Grafites encobrem o mal da vida real
Desmantelando a serenidade vigente
Explodindo pensamentos que fazem mal.

Juntando cada gesto na escuridão
Contassem números para se acostumar
Arma-se uma alma que traga identidade
Aproveita o cataclisma e se joga para voar.


CICERO[N.C.S]

05/10/2007

VOGAL INCERTA


Rasurei no livro dos dias

Respostas de anos perdidos
Justifiquei nas entrelinhas
Meus sabores corrompidos.

Faço uma cópia do beijo
Uma vez nessa hora sem pausas
No meio momento digo: - Te amo
Sem desculpas e sem causas.

Sombras diagonais dos passos
Posso dividir em quilate
Fixações de almas perdidas
Tudo que me atrai... Rebate ! ! !


CICERO[N.C.S]

20/08/2011

Paulo Leminski


Isso de querer ser exatamente aquilo 
que a gente é ainda vai nos levar além


(Leminski)

Chico Science


Não existe mistérios em descobrir:

o que você tem e o que gosta,
o que você é e o que faz.


(Chico Science)

Hilda Hilst



Quem és ? Perguntei ao desejo.
Respondeu: Lava. Depois pó.
Depois nada.


(Hilda Hilst)

ENTRE O SONO E SONHO


Entre o sono e sonho, 

Entre mim e o que em mim 
É o quem eu me suponho 
Corre um rio sem fim. 

Passou por outras margens, 
Diversas mais além, 
Naquelas várias viagens 
Que todo o rio tem. 

Chegou onde hoje habito 
A casa que hoje sou. 
Passa, se eu me medito; 
Se desperto, passou. 

E quem me sinto e morre 
No que me liga a mim 
Dorme onde o rio corre — 
Esse rio sem fim. 


(Fernando Pessoa)

O AUTO-RETRATO


No retrato que me faço

- traço a traço -
às vezes me pinto nuvem,
às vezes me pinto árvore…

às vezes me pinto coisas
de que nem há mais lembrança…
ou coisas que não existem
mas que um dia existirão…

e, desta lida, em que busco
- pouco a pouco -
minha eterna semelhança,

no final, que restará?
Um desenho de criança…
Corrigido por um louco!


(Mario Quintana)

DEADPOOL (2016)


Um Superherói fora dos padrões ! ! !

Esqueça aquela personificação sem sal e quase amadora vista na participação do terrível X-Men Origens: Wolverine (X-Men Origins: Wolverine, 2009): o filme ganhou corpo e tem personalidade, tudo isso graças ao esforço de Ryan Reynolds, que além de ter feito o papel de DEADPOOL naquela ocasião, trabalhou duro para que o personagem ganhasse um filme próprio e com a abordagem que merece (censura 18 anos). Com total liberdade para improvisação, o diretor é o estreante Tim Miller, provavelmente apenas um funcionário seguindo regras, até mesmo personagens anteriores de Reynolds são ridicularizados pelos diálogos bem escritos e precisos; “desde que eu não use uniforme verde” é dito em certo momento, uma clara referência à tragédia que foi Lanterna Verde (Lanterna Verde, 2011). Acredite, será feito piada com absolutamente tudo e todas elas funcionam muitíssimo bem dentro do contexto em que são proferidas.

Quebrando constantemente a quarta parede (Falar com o público), portanto, o personagem nunca deixa de ridicularizar o próprio público das HQs que estão sempre esperando a cartilha dos estúdios Marvel, algo que já virou uma fórmula desgastada e inofensiva. Desse modo, Deadpool é realmente um sopro de criatividade por desdenhar dos clichês, indicando-os durante seu próprio filme de origem.

O filme é tão interessante, que ele não se importa em citar ou apresentar personagens e objetos pertencentes a 
outras franquias, fazer piadas com o próprio ator, diretor, roteirista, de forma que jamais veríamos a Marvel fazer. 
Finalmente o assunto “machismo” foi tratado em algum filme de herói. Mesmo que tenha sido de forma breve, foi uma menção necessária.

O longa não tenta adotar um tom sério e realista, nem busca se conter em termos de linguagem e violência. É um filme que manda muita coisa para o espaço a fim de tentar fazer jus ao seu protagonista insano, psicótico, depravado e surpreendentemente hilário, num projeto que talvez pudesse dar muito errado. Mas os realizadores mostram compreender o material que têm em mãos, conseguindo resultados mais do que satisfatórios com o que colocam na tela.

À primeira vista, é uma história de origem como qualquer outra, não trazendo nada de particularmente novo, mas o grande diferencial aqui é o modo como ela é contada. Deadpool é um personagem que não está no mesmo ritmo de seus colegas de cena, tendo plena noção de fazer parte de uma obra cinematográfica e de um vasto subgênero. Sendo assim, ao mesmo tempo em que desenvolve um filme de super-herói (ou melhor, super-anti-herói), o roteiro usa sabiamente a perspectiva do protagonista para explorar seu lado metalinguístico e brincar não só com sua própria narrativa, mas também com outras produções do tipo e suas fórmulas, seguindo um pouco a linha que Pânico desenvolveu com os slasher movies. Dessa forma, Deadpool consegue surpreender e divertir do início ao fim com boas sacadas (como as descrições nos créditos iniciais) e piadas bastante inspiradas (a menção ao Professor Xavier é uma das melhores), fazendo isso sem subestimar a inteligência do público.


PRÓS: Humor sem limites
CONTRA: Faixa etária 16 anos


NOTA: 9



CICERO[N.C.S]
1º/04/2016

20.000 Léguas Submarinas (Julio Verne)


Um dos verdadeiros clássicos da ficção científica, o livro narra as aventuras do Capitão Nemo, um enigmático e brilhante homem que construiu um submarino e com ele dedicava-se a percorrer os mares, estudando e desbravando o fundo dos oceanos. Apesar de ter sido escrito o livro a mais de 140 anos continua inovador e com uma linguagem comum para os dias de hoje mesmo lendo o texto integral.

Lançados ao mar, o professor Aronnax, o fiel Conselho e o exímio arpoador Ned Land foram resgatados e feitos prisioneiros pelo enigmático Capitão Nemo, dono, líder e principal habitante do prodigioso submarino Náutilus. Um submarino que é muito a frente de seu tempo, proporciona-lhes maravilhosas surpresas, inacessíveis àquele que caminha sobre a terra. A caçada nas florestas submarinas, o encalhe no estreito de Torres. Navegando águas remotas dos oceanos e lançando-se em ousadas aventuras sobre o descobrimento dos ocenaos.

O escritor francês Júlio Verne conseguiu "profetizar" muitos avanços científicos: o submarino, a televisão, viagens espaciais. Recebeu, com justiça, o título de criador da ficção científica. Embora a obra de Verne se dirigisse basicamente a um público juvenil e popular, a crítica moderna realça a enigmática beleza de muitos de seus romances. Curiosamente, Verne nunca saiu da França, embora seus relatos narrassem, com incrível exatidão, as mais distantes regiões do planeta. Ele uniu ao vigor narrativo sua convicção no progresso da humanidade.



CICERO[N.C.S]

1º/04/2016